Intolerância à Lactose? Como identificar? – Laboratório Farreras Valenti
RESULTADOS DE EXAMES

Você sabe o que é intolerância à lactose? Pesquisas recentes apontam que esta incapacidade parcial ou completa de digerir o açúcar presente no leite e seus derivados afeta cerca de 70% dos brasileiros, que possuem esta carência em graus que variam entre leve, moderado ou grave, de acordo com o tipo de deficiência apresentada.

A intolerância ocorre quando o organismo não produz, ou mesmo produz em quantidade insuficiente, uma enzima digestiva chamada lactase, responsável por quebrar e decompor a lactose, nome que se dá ao açúcar presente no leite. E, como decorrência deste processo incompleto, a substância chega ao intestino grosso sem alterações, onde se acumula e é fermentada por bactérias.

O processo decorrente da ação das bactérias fabrica ácido lático e gases, o que promove maior retenção de água e o surgimento de diversos sintomas, como a diarreia e as cólicas. O mal-estar se concentra no sistema digestivo, e só melhora com a interrupção do consumo de produtos lácteos ou mesmo com a ingestão de medicamentos que auxiliam na produção de enzima lactase.

Os sintomas surgem, geralmente, minutos ou horas após a ingestão do leite in natura, de seus derivados, como queijos, ou de alimentos que contêm leite em sua composição, como sorvetes e bolos. E, além dos já citados, os mais comuns são distensão abdominal, excesso de gases e náuseas.

Clique e saiba como preparar um delicioso bolo de milho sem lactose.

Alergia x Intolerância: Qual a diferença?

Com a falta de diagnóstico, surgem muitas dúvidas em relação a esta condição, e, por este motivo, é importante que a diferença entre alergia ao leite e intolerância à lactose seja esclarecida. A alergia é uma reação imunológica adversa às proteínas do leite, e se manifesta (de forma leve, moderada ou grave) logo após a ingestão de leite ou derivados, independentemente da quantidade consumida.

A mais comum é a alergia ao leite de vaca, que, dentre outras coisas, pode provocar alterações no intestino, na pele e no sistema respiratório, como tosse e bronquite. Já a intolerância à lactose é um distúrbio digestivo intrínseco à produção de lactase pelo intestino delgado. Em outras palavras, é uma incapacidade do organismo de produzir uma enzima essencial para a digestão do leite e seus derivados, e os sintomas variam de acordo com a quantidade ingerida.

Como é feito o diagnóstico?

O mais comum é que o indivíduo vá desenvolvendo esta carência ao longo da vida, a não ser que já nasça com esta característica, e ela geralmente é identificada na fase adulta. Em outras palavras, não possuir esta deficiência hoje não quer dizer que ela não possa se desenvolver no futuro.

Por este motivo, caso você apresente algum dos sintomas citados após a ingestão de leite ou de seus derivados, o primeiro passo é passar por uma avaliação clínica. Além da avaliação, o diagnóstico de intolerância à lactose ainda pode ser realizado através do exame laboratorial, teste de intolerância a lactose, onde o paciente toma um suco, e, após 30 e 60 minutos, colhe amostras de sangue para medir os níveis de glicose e identificar se eles permanecem inalterados ou não. Caso estejam inalterados, o indivíduo é portador do distúrbio.

Tratamento e Recomendações

A intolerância não é considerada uma doença, mas sim um distúrbio, uma carência do organismo que pode ser tratada com dieta e medicamentos apropriados. A proposta inicial é suspender a ingestão de leite e de seus derivados, mas, posteriormente, é possível que o indivíduo possa consumir os alimentos novamente.

O ideal é reintroduzi-los na dieta aos poucos, até que seja identificada a quantidade máxima que o organismo suporta sem que os sintomas adversos se manifestem. Essa conduta é essencial, pois o leite é fonte importante de cálcio, um nutriente que, juntamente com a vitamina D, é indispensável para a formação óssea saudável.

Para os já diagnosticados, é importante ler com atenção não apenas os rótulos dos alimentos, mas também a bula dos remédios, pois vários medicamentos incluem a lactose em suas fórmulas. Além disso, alimentos como verduras de folhas verdes (brócolis, couves, espinafre), feijão, ervilhas, salmão, amêndoas, nozes, ovos e temperos como manjericão e orégano, também são fontes de cálcio e auxiliam na suplementação.


Notice: ob_end_flush(): failed to send buffer of zlib output compression (1) in /home/farreras/www/farreras/wp-includes/functions.php on line 3722

Notice: ob_end_flush(): failed to send buffer of zlib output compression (1) in /home/farreras/www/farreras/wp-includes/functions.php on line 3722